10 tendências para comunicação corporativa e a tangibilização da reputação

 

Mas, afinal, o que compõe a reputação corporativa? O professor Claudio Furtado abriu o segundo painel relembrando que a literatura já aborda o tema há tempos e afirma que a imagem e a identidade corporativa são sim as responsáveis pela boa reputação das empresas, sem descartar o fato de que a qualidade do conselho, o relacionamento com os stakeholders e o modo como os colaboradores se identificam como empresa estão no cerne das questões a serem tratadas pelos acionistas, conselheiros e corpo diretivo das empresas.

Com base nisso, trouxemos Simon Cole e Luli Radfahrer para debater sobre o modo como as empresas têm aproveitado as ferramentas digitais disponíveis para mensurar a reputação e a imagem corporativa em seus mercados.

Durante o Seminário, Cole apresentou o ranking das 20 empresas com melhor reputação e valor aos acionistas, afirmando que uma boa imagem corporativa está alicerçada nas ações individuais de cada companhia e independe do país em que se encontra ou dos índices que ela apresenta (veja o estudo completo aqui).

“A Reputação corporativa depende da confiabilidade que seus stakeholders têm a respeito de sua marca, pois além dos valores tangíveis ela gera expectativa, esperança e veracidade nas informações”.

Sob o ponto de vista de Luli Radfahrer, o posicionamento das pessoas diante da quantidade de informações disponíveis, em que tudo se sabe, poucos dados são analisados em profundidade.

“As escolhas individuais agrupam indivíduos em associações comportamentais múltiplas e dinâmicas. E é exatamente isso que é mensurável. Eu ainda me pergunto por que a comunicação corporativa faz um press release ou entrega um clipping, se em um ambiente de mudanças sistêmicas é preciso ter uma abordagem integrada?”

Para ele, as empresas devem pensar sobre como o volume de dados gerados pode auxiliar o seu negócio, bem como entender o porquê a inteligência artificial é importante para melhorar a automatização dos processos, maximizando e potencializando a interação entre pessoas, investidores e marcas.

“O Google e o Facebook usam algoritmos, o AirBnB usa a votação e o Uber a eliminação como formas de curadoria dos participantes, com o intuito de encorajar comportamentos desejáveis’ e moldarem seus produtos’.

Veja mais

 

10 tendências de futuro da comunicação corporativa 

Por Luli Radfharer

Quais outros públicos internos devem tomar conhecimento do uso de indicadores de reputação?

Por Simon Cole

VEJA O DEPOIMENTO DOS PALESTRANTES

Luli Radfahrer - O papel da  comunicação nos dias atuais

Simon Cole - Como as empresas podem ser mais eficazes na comunicação de seus negócios

  • "Problemas tornam-se oportunidades para agregar valor e resiliência para toda a rede."

  • "Google e Facebook usam algoritmos, AirBnB usa votação e Uber a eliminação como formas de curadoria dos participantes, com o intuito de encorajar comportamentos desejáveis."

  • "A gestão de aspectos intangíveis de valor e de reputação requer a medição pontual, sensível e cuidadosa"

  • "A mensuração da reputação corporativa não é novidade, mas a questão primordial é saber como utilizar esses dados."

  • "Aquilo que não se mede não se consegue gerir e, portanto, não impacta as empresas"

  • "Índices como IVE e o IRE complementam os trabalhos que já estão sendo feitos em outras áreas, tais como os índices de sustentabilidade e de governança."

Baixe aqui a apresentação de LuLi Radfahrer.

Baixe aqui a apresentação de Simon Cole.


Veja mais casos

  • juntos avançaremos polegada por polegada. vamos conversar?