Cinco tendências de comunicação interna para ficar de olho em 2016

Por Denise Cox

 

A maior parte do ano de 2015 já ficou para trás, o que significa que é hora de selecionar cinco tendências de comunicação interna para 2016.
Como fiz essa seleção? CCom base em temas recorrentes que surgiram muitas vezes durante o ano em conversas com profissionais de comunicação interna, incluindo nossos clientes, e também quando participei e dei palestras em eventos de Comunicação Interna no mundo todo, como por exemplo, a Conferência Mundial do IABC, SMilE e CIPR Inside. Além disso, também usei as discussões com vários líderes que participaram do meu webinário mensal Best Practice.


Essas são as cinco tendências em Comunicação Interna para ficar de olho:


Medição 360


Hoje a função de Comunicação Interna está razoavelmente madura. Consequentemente, nós, assim como as áreas de RH, Finanças e Marketing, temos que provar nossos resultados e valor de negócio. O objetivo deste ano é conseguir métricas, como visualizações de página, aberturas e comentários. Mas métricas individuais, em canais isolados, não são suficientes. Este ano precisamos entender tudo isso de forma coesa em todos os níveis da organização. Este ano você deve ser capaz de responder às perguntas do CEO sobre o seu sucesso. Na verdade, você deve começar a conversa com a seguinte pergunta: “Como você gostaria de ver os resultados do engajamento total? Por local, canal, departamento, público, dispositivo ou unidade de negócio?”


Envolvendo todas as gerações


Locais de trabalho que apresentam uma grande variedade de faixas etárias já não são novidade. O que está mudando é o seguinte: um maior número de pessoas da geração baby boom está trabalhando mesmo após a idade para aposentadoria e mais pessoas da geração do milênio, com mais habilidade para lidar com tecnologia, continuam se formando e entrando no mercado de trabalho. Existe atualmente uma diferença marcante de valores entre as gerações. As diferenças entre os estilos preferidos de comunicação e os hábitos de trabalho de cada geração são cada vez mais acentuadas. Como as organizações podem atingir esses grupos? Que canais você deve usar? Como você pode fazer uma integração bem-sucedida dessa diversidade em um ambiente de trabalho cooperativo e baseado na tecnologia? O tópico controverso deste ano será como atingir e engajar funcionários diferentes. Minha sugestão é começar com uma auditoria da comunicação interna para conhecer os canais disponíveis, os perfis do seu público, e a melhor forma de criar e implementar uma estratégia de comunicação que funcione. 


O trabalho remoto é uma tendência grande e em expansão


É isso mesmo. No link the US alone você verá que, só nos EUA, o trabalho remoto cresceu 103% desde 2005 e 6,5% em 2014. Estudos mostram repetidamente que os funcionários agora não ficam em suas mesas de 50 a 60% do tempo. Várias empresas listadas na Fortune 1000 estão reestruturando completamente seus espaços de trabalho com base no fato de que os funcionários já são móveis. Comunicadores internos devem enfrentar o desafio de remover barreiras para seus funcionários móveis. Não importa se trabalhar ‘remoto’ significa trabalhar externamente, no chão da fábrica, no carro ou em casa – todos precisam sentir-se conectados e engajados com as suas formas de comunicação. Não tem jeito, isso é um ponto crucial e um grande desafio a ser vencido. Ouça nosso webinário – Reaching beyond the HQ.


Multicanal é a nova aposta


Declarar que o ‘canal está morto!’ toda vez que você deseja introduzir um novo canal é coisa do passado. Um único método de comunicação em uma organização nunca é suficiente. Uma nova ferramenta não deve simplesmente substituir um legado ou canais existentes. Os funcionários têm seus canais preferidos. Além disso, há caminhos mais adequados a determinados tipos de mensagens do que outros. Em vez disso, você precisa estar no centro da sua estratégia de comunicação – e entender o poder de cada um dos seus canais de comunicação. Qual é a resposta? Veja a abordagem multicanal, que utiliza os pontos fortes de cada meio. Em vez de descartar canais, estabeleça os elos entre estratégia, comportamentos e tecnologia para melhorar o fluxo e a qualidade da comunicação e da cooperação.


Você precisa falar para vender

Criar e forçar uma comunicação de cima para baixo não funciona mais. Os funcionários querem entender ‘por que’, eles querem saber o que ganham com isso e se sentirem estimulados para mudar e se engajar. Você tem poucas oportunidades para apresentar ideias, prender o interesse e explicar seu ponto de vista. Especialmente se o seu público for disperso e variado. É difícil conectar, inspirar e fazer com que as pessoas ajam com base somente na lógica e na razão. Contar histórias traz vida a dados concretos, fatos e números. Como contar histórias? Usando todas as ferramentas disponíveis, tais como vídeos, infográficos, podcasts, narração e imagens.

Texto originalmente publicado em Newsweaver.


Veja mais casos

  • juntos avançaremos polegada por polegada. vamos conversar?