Você está satisfeito com a maneira como os profissionais interagem com os canais de comunicação da sua empresa?

Samuel Leite, Sócio da MZ"

Embora muitas empresas ainda utilizem formatos antigos para conduzir a comunicação com seus stakeholders, os departamentos de marketing, relações públicas e de assessoria de imprensa tem o papel transformador de desenhar as estratégias que serão lançadas nos canais digitais.

Se em uma reflexão inicial esses canais - e por eles entendemos websites, aplicativos e redes sociais - podem ser também os propulsores na coleta de dados e informação, a grande sacada é saber como utilizá-los para que a empresa possa se preparar para produzir um conteúdo ainda mais relevante e por meio deles prover relacionamentos duradouros com seus stakeholders.

A professora titular da USP Margarida Kunsch, em seu livro ‘Planejamento de relações públicas na comunicação integrada’ (2003), destaca que muito mais do que definir atividades e propósitos, é necessário levar em conta os aspectos relacionais, os contextos, os condicionamentos internos e externos, bem como a complexidade que permeia todo o processo comunicativo.

Para ela, as atividades dos profissionais de Relações Públicas, por exemplo, significa "ajudar as organizações a se posicionarem perante a sociedade, demonstrando qual é a razão de ser do seu empreendimento, [...] bem como definir uma identidade própria e como querem ser vistas no futuro".

Sob essa análise, o papel dos RPs passa a convergir com o que Philip Kotler chama de Marketing 3.0, no qual a teoria principal do tema é que as ações estejam voltadas à emoção e percepção de valor do cliente. Por isso, e não menos importante, o que de fato importa é o modo como esses profissionais recebem e processam esse grande volume de dados, advindos do que Kunsch chama de quatro tipologias da comunicação: interna, mercadológica, institucional e administrativa.

Mas, afinal, como coletar, analisar e aplicar a estratégia se o volume de dados está presente nas multiplataformas?

Segundo um estudo elaborado pelo IDC (American Data Corporation) em 2013, o total de dados gerados no mundo era de 4,4 trilhões de gigabytes. Entretanto, a estimativa é que desse volume atual de dados coletados, 22% contém informação útil e apenas 5% foram analisados e utilizados de alguma forma.

Se por um lado a tecnologia oferece o dado, todo o time de especialistas ainda é o responsável pela contextualização entre a informação e a realidade da empresa. O próximo passo - e certamente o mais importante - é ser assertivo na análise desses dados, a ponto de se criar uma comunicação única, embasada nos seguintes questionamentos:

  1. Em que momento o conteúdo do meu texto impacta as pessoas com base na tecnologia de relevância contextual, inteligência artificial, big data etc.?
  2. E como essas tecnologias podem ultrapassar a análise simples de interpretação de um relatório estatístico e de percepção de leitura?
  3. No cenário atual da minha empresa, quais dados permitem a produção de conteúdo e relacionamentos relevantes e qual a sua adaptabilidade a um público de interesse específico ou macro?

O big data e as métricas estão aí, bem como os meios digitais. Já a análise de dados ainda é feita pelo homem e por seu time de especialistas, sejam eles profissionais de marketing, RPs, jornalistas ou analistas de informação. E são eles quem farão a sua empresa avançar cada jarda, polegada por polegada (#inchbyinch).


Veja mais casos

  • juntos avançaremos polegada por polegada. vamos conversar?